Distinguir

Precisamos confiar em nossa capacidade de distinguir e escolher, parar de buscar em outros a resposta que está dentro de nós.

Estamos em uma época em que muitas dicas são oferecidas e as vezes exigidas em nossos movimentos para alcançarmos nossos desejos, e isso, gera ansiedade e ou depressão, pois tentamos nos encaixar na forma como o outro faz ou faria, na atitude que o outro tem ou teria, e deixamos de acreditar em nossa capacidade para solucionar nossas questões.

Além da frustração, com essa atitude baixamos ainda mais a nossa autoconfiança.

Vemos constantemente textos que são dicas, como isso ou aquilo, e ao invés de filtrarmos e distinguirmos o que tem a ver consosco, como estamos em uma busca rápida pelo resultado, nos submetemos a essas dicas e nos perdemos de nós mesmos.

O quanto temos nos sentido capaz e contente com nossas escolhas, o quanto essas escolhas estão pautadas em nós, e o quanto estão pautadas no outro?

O quanto deixamos de ser nós mesmos?

Não existe modelo de felicidade, existe o nosso jeito de entender e vivenciar a felicidade.

É importante refletirmos o que é nosso, o que é felicidade para cada um de nós? Qual é o melhor estilo de vida para cada um de nós? O que traz satisfação para cada um de nós? E distinguirmos o que é nosso e o que é o outro.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × 2 =