Praticando o autoamor

Estamos vivendo um novo momento em que temos a possibilidade de entrar em contato com nossas emoções e sentimentos e compreender que aceitando tudo o que há em nós, adquirimos energia para transmutar e agir com coerência.

Aprendendo que cada detalhe é importante para o nosso desenvolvimento valorizamos nossas experiências de um novo lugar.

Ao reconhecermos ou admitirmos nossos medos, nossas raivas e nossas culpas, as sensações causadas por estes sentimentos encontram espaço para serem acolhidos, compreendidos e a partir de novas atitudes serem transformados.

Nosso corpo traduz a forma como nos sentimos, se prestarmos atenção como reagimos aos estímulos do nosso dia, percebemos essas nuances com muita clareza.

Percebemos ainda, que alguns estímulos nos remetem a situações vividas anteriormente atenuando nossas reações, e que, por diversas vezes não fazem mais sentido algum.

Quando nos dispomos a olhar para o que nos machuca, estamos abrindo espaço para o cuidado, para nos libertarmos e para lidarmos com carinho conosco e com nossas relações.

Assim praticamos o autoamor e construimos o amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − 3 =

A proposta deste livro é nos levar a uma reflexão sobre a forma que nos relacionamos. Um singelo convite para que possamos entrar em contato com nossa história e perceber através dela como nos apresentamos nas relações. O autoconhecimento gera um campo de possibilidades para realizarmos nossos objetivos e estarmos inteiros nas relações. Percebendo nossas necessidades, deixamos de colocar no outro a resposta que desejamos, isso proporciona leveza em nossas relações. Com leveza, nos percebemos inteiros. E o que nomeio como encontros genuínos fluem com naturalidade. 

Clique nas imagens abaixo
e adquira o seu exemplar: